30/09/06

procura-se




não passas de um oculto asterisco. nota mordiscada de batôn. no último capítulo. do livro que há muito abandonaste. na mesa do pequeno-almoço. não é à toa. que ao teu nome já mal soletrado. acrescento o fôlego estival dos pássaros. não é em vão. que pagino uma vêrtebra de fogo. na branca erosão de mais um dia. sem vestígios. estivesses tu. numa qualquer página de jornal. o resumo das horas era outro. talvez menos literário. talvez menos sonhador. eras notícia. breve que fosse. mobilava o vazio. aproximavas-te. adubavas a terra. onde aos domingos. é meu costume. colher sementes desirmanadas. li todos os jornais. em nenhum. encontrei uma insignificância. um detalhe da tua existência. perdido em mil caracteres de futilidades. só não consultei o obituário. porque me recuso. a confirmar. pelos jornais. o teu definitivo. desaparecimento.


*

(fotografia de rafael matos)

3 comentários:

Anónimo disse...

Talvez esteja escondida numa chamada pequenina de primeira página... A notícia. Entre mil caracteres de futilidades, sempre presente, sempre lá, e ainda assim despercebida.

Procura-se. E só no fim das evidências se encontra. Com olhos cansados de tanto ver. O asterisco perdido na memória.

Beijo*

Anónimo disse...

Nunca foi tao bela a mentira como na tua boca. no meio de pequenas verdades banais. eram o mundo que eu amava. mentira solta sem esforco. como chuva que caía sobre a terra árida.
Nunca a mentira foi tao doce. palavras apaixonadas . mas ditas...
Nunca tanta dor se juntou numa ferida...

Anónimo disse...

No obituário não, provavelmente não... Além disso, as más notícias correm depressa...